quarta-feira, 29 de maio de 2013

II Percurso cultural - Visita à Quinta da Regaleira

   O Palácio da Pena surgiu com toda a sua imponência no cume da serra. Parecia que jogava às escondidas. Dentro do autocarro, a caminho do parque de merendas, entrámos neste jogo, ora o avistávamos, ora ele desaparecia. Não nos preocupámos, afinal ele não era o objetivo da nossa visita. 
   Chegámos a Sintra depois da hora prevista, as máquinas, neste caso o autocarro, também querem provar a sua importância e fomos brindados, logo no início da viagem, com o contratempo de um pneu furado. Apesar disso, o tempo chegou para almoçar e à hora marcada lá estávamos nós na Quinta da Regaleira, que é, sem dúvida, um dos espaços mais belos de Portugal.

    A Quinta da Regaleira foi construída no início do século XX, de acordo com os sonhos mito-mágicos do seu proprietário, Carvalho Monteiro, e concretizados pelo talentoso arquiteto-cenógrafo italiano Luigi Manini. O jardim, ou jardins, pois a dimensão da propriedade permite a coexistência de locais diferenciados, tem uma grande variedade de ambientes que proporcionam ao visitante agradáveis momentos de bem-estar e tranquilidade. Aqui  foram construídos vários edifícios que nos remetem para os rituais e para a simbologia da maçonaria, uma organização secreta onde Carvalho Monteiro se iniciou. Estes rituais incluem a descoberta do inferno, caminho interior e profundo que vai permitir ascender à perfeição, ao céu. Toda esta simbologia nos foi sendo explicada pelos nossos guias à medida que nos mostravam o poço iniciático, o túnel em direção à cascata, a igreja, o patamar dos deuses… A visita acabou no Palácio, um imponente edifício de estilo manuelino.
   A finalizar este passeio, tivemos a oportunidade de percorrer as ruas do centro histórico de Sintra, descobrindo locais e guardando-os em fotografias.  Encontrámo-nos na “Piriquita”, uma pastelaria típica que vende as famosas queijadas que todos queriam provar. O regresso decorreu sem incidentes e, à chegada, já se notava a nostalgia do agradável dia por lá passado.

   

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Final do "Concurso de Leitura em Voz Alta"

No passado dia 17 de maio, realizou-se no auditório da Junta de Freguesia de Oiã a final do Concurso de Leitura em Voz Alta, promovido pela Rede de Bibliotecas de Oliveira do Bairro, que engloba as bibliotecas escolares do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro, do IPSB e da Biblioteca Municipal. Este concurso visa desenvolver o gosto e o prazer pela leitura, incentivar o contacto /conhecimento de obras de autores de Língua Portuguesa; promover o convívio entre os participantes e educar para a competitividade saudável entre os concorrentes.


      Muitos foram os alunos que participaram e se envolveram neste concurso, que se iniciou em outubro. Este ano, uma vez que o regulamento foi alterado, houve uma pré-seleção, duas eliminatórias e uma final. Na pré-seleção, composta por uma prova escrita e a leitura de um excerto da obra a concurso, foram apurados os 30 alunos (15 do AEOB e 15 do IPSB) mais pontuados em cada ciclo. Foram selecionados para a final, de entre os 5 previstos para cada ciclo de ensino das duas escolas a concurso, 13 alunos do AEOB.



A final foi um momento muito marcante, em que assistimos à leitura de excertos das obras selecionadas para cada ciclo pelos alunos finalistas e, ainda, a momentos culturais que envolveram poesia, música e dança por alunos do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro e IPSB.
     Parabéns aos alunos vencedores e a todos os que participaram neste concurso (incluindo os que não chegaram à final) e a todos os envolvidos que o tornaram possível.
       Continuação de boas leituras e para o próximo ano letivo há mais!


Alunos vencedores


quarta-feira, 22 de maio de 2013

Teatro na BE - " Os gatos janotas"


No dia 16 de maio, alguns alunos da turma OB9 da Escola Básica de Oliveira do Bairro representaram a peça “ Os gatos janotas” na biblioteca desta instituição escolar, orientados pela professora de teatro, Ana Cristina Ferreira, em colaboração com o professor titular, José Carlos Almeida, a professora de apoio, Sónia Pedrosa, e a professora de expressões, Lurdes Santos.
Não foi fácil motivar estes alunos, mas, com perseverança, foi possível. No dia marcado, lá estavam eles bastante animados com a perspetiva de apresentar o seu trabalho aos restantes colegas de turma e a outras turmas da escola.
O seu desempenho foi bom e todos ficaram satisfeitos e com vontade de repetir. O espectáculo terminou com os aplausos encorajadores dos seus colegas, professores e funcionários.